Diocese de Campina Grande

18º Crescer acontece de 15 a 17 de fevereiro

Seminário issionário Regional

De 26 a 28 de fevereiro de 2015 - Igarassu-PE

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

CNBB NE2 saúda Dom Frei Severino Batista de França, OFMCap pelo seu 70º aniversário


O secretariado Regional NE 2 e a Diocese de Nazaré-PE, agradecem  ao Senhor pela vida e vocação de Dom Severino Batista de França. 

Já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim.

Gl 2, 20a.
                                                     MUITOS ANOS DE VIDA!

Festa de São João Bosco em Cajazeiras

Thumb007

Teve início no último dia 22, a Festa de São João Bosco em Cajazeiras. Este ano, a festa ocorre em comunhão com o Centenário da Diocese, o Ano da Vida Consagrada, o Bicentenário do nascimento de Dom Bosco e o Ano da Paz. Todos os dias pela manhã está sendo recitado o Oficio Divino das Comunidades e a noite a novena em honra ao padroeiro da juventude. Os festejos terão seu ponto alto no dia 31 de janeiro, dia do Santo Padroeiro.

Maceió realiza VIII Assembleia Arquidiocesana de Catequese

O Seminário Arquidiocesano Nossa Senhora da Assunção acolheu nos dias 24 e 25 de janeiro o VIII Assembleia arquidiocesana de catequese de Maceió (AL), que nesta edição trabalhou o tema “Catequese e o Sacramento do Batismo – unidos pelo mesmo sacramento”.
O vigário-geral, monsenhor José Augusto, acolheu os coordenadores paroquiais de catequese e interessados no tema do encontro. Além de palestra os participantes viveram momentos de oração, trabalhos em grupo por setores ou áreas e muita descontração. As atividades do dia foram encerradas com o Ofício da Juventude e com um jantar que contou com a animação de frevo e uma prévia carnavalesca de antigas marchinhas de carnaval.
No domingo, 25, foram apresentados os novos articuladores de áreas e setores, escolhidos durantes os trabalhos em grupo, e traçadas as metas do planejamento de 2015. Entre as metas, destacaram-se: visitas pastorais duas vezes ao mês, sendo uma no setor e outra na área; e o I Encontrão de Catequistas da Arquidiocese, que acontecerá no início do segundo semestre.
A santa missa presidida pelo padre Juraci Carlos encerrou a assembleia. Ao final da celebração, o sacerdote agradeceu aos padres que enviaram catequistas, somando assim uma participação de 80% de representação das paróquias que formam a arquidiocese. O sacerdote ainda ressaltou seu contentamento em coordenar o evento e pela equipe ter alcançado bom êxito na realização da Assembleia. “Acredito que um novo tempo é chegado para aqueles que estão à frente da Animação Bíblico-Catequética de nossa Arquidiocese”, concluiu padre Juraci.
O coordenador da equipe de comunicação da catequese no Regional Nordeste 2, Joseilton Luz, também participou do evento.
Com informações da Pascom de Maceió

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Artigo: Ideologia ou religião?


A série de atentados terroristas, seguidos de massacres inomináveis, suscita em nós um misto de consternação e indignação ética. Há alguns anos, após os atentados às Torres Gêmeas e ao Pentágono, sucedem-se provocações, ameaças e fatos consumados de ódio e vingança às nações do Ocidente. Em suma, ao que parece, a tendência do terrorismo é confundir mundo capitalista e “status quo cristão”. Jornalistas e analistas políticos internacionais não conseguem esboçar uma resposta lógica, tentando explicitar “por que” que em pleno século XXI recrudesce o fanatismo fundamentalista, de caráter religioso. Por que destruir tudo o que seja considerado inimigo do Estado Islâmico (EI)?

Numa expressão apressada, e por isso perigosa, espalha-se a ideia confusa de que religião identifica-se com fanatismo irracional e alienado. Ao recente massacre do “Charlie Hebdo” seguiu-se a destruição de estabelecimentos cristãos e novo massacre no Níger, somando-se duas mil execuções sumárias. Em vários países, cuja população é de maioria muçulmana, seguem-se atentados, violações, destruições, mortes cruéis. Tudo isso é praticado contra os cristãos e contra os que discordarem do regime implantado pelo novo Estado Islâmico. A tolerância humana tem limites ante o absurdo. Até que ponto a humanidade conseguirá tolerar tanta irracionalidade? Como entender o século XXI vendo crescer mais e mais o fundamentalismo que se dá ao luxo de passar por cima de quaisquer convenções sobre Direitos Humanos? Estamos diante de um radicalismo intolerável. Na esfera mundial, hoje, é inconcebível tolerar a negação dos direitos humanos fundamentais e irreformáveis. Trata-se do direito de expressão de um lado e de outro o direito à liberdade religiosa ou filosófica.

Todo cidadão possui o direito de expressar suas crenças e valores, contanto que não se imponha pela força violando o direito dos outros. Crenças e valores humanitários são reputados como sagrados na esfera pessoal, comunitária e social. Tenho o direito de expressar minha opinião, crença ou valor, sem ser agredido, debochado, massacrado por alguém que discorde. A pluralidade de expressão de valores é um bem inquestionável e inviolável. Jamais existirá sociedade democrática sem o direito de expressar opiniões plurais legítimas, constitucionalmente. A intolerância é anticonstitucional. O bom senso segue-se ao respeito recíproco. A liberdade de expressão identifica-se como legítimo direito de exprimir crenças e valores que não se confundem com imposição, proselitismo religioso e, menos ainda, com guerra santa, conspurcando o nome de Deus.

Dom Aldo Pagotto
Arcebispo Metropolitano da Paraíba